Relembre conquistas de medalhas paralímpicas do Brasil

sex, 08 out 2021 21:37:11 -03:00



Daniel Dias exibe suas medalhas conquistadas nos Jogos de Tóquio durante coletiva de imprensa | Foto: Rogério Capela / CPB

Daniel Dias exibe suas medalhas conquistadas nos Jogos de Tóquio durante coletiva de imprensa | Foto: Rogério Capela / CPB

A história do esporte paralímpico no Brasil pode ser contada de diversas formas. Uma delas é por meio das medalhas. As medalhas de ouro, prata e bronze falam sobre o avanço dos atletas paralímpicos, desafios superados e marcam momentos únicos do paradesporto. Conheça a história do esporte paralímpico contada em medalhas conquistadas nos Jogos Paralímpicos!

As primeiras medalhas

A primeira medalha do Brasil em Jogos Paralímpicos veio com a conquista da dupla Robson Sampaio e Luiz Carlos da Costa, nos Jogos de Toronto em 1976. A prata foi conquistada no lawn bowls, modalidade similar à bocha e que já não faz mais parte do programa dos Jogos Paralímpicos.

Em 1984, as mulheres conquistaram as suas primeiras medalhas. Naquele ano, a edição dos Jogos foi realizada em duas sedes, Nova York (EUA) e Stoke Mandeville (Inglaterra). O nome que entrou para a história foi o da Márcia Malsar, que conquistou ouro nos 200m C6, prata nos 1.000m cross country C6 e bronze nos 60m C6.

A última medalha

O último dia de competições nos Jogos Paralímpicos de Tóquio encerrou-se de forma positiva para o Brasil, com a conquista de uma medalha de prata por Alex Pires da Silva. O atleta correu a maratona masculina na classe T46, para pessoas com deficiência nos membros superiores, e completou o trajeto em 2h27min, cruzando em segundo lugar a linha de chegada do Estádio Nacional do Japão.

O atleta com mais medalhas

O atleta paralímpico que mais conquistou medalhas na história do Brasil é o nadador Daniel Dias. Dono de incríveis 27 medalhas paralímpicas, Daniel fez sua última participação em Jogos na edição de Tóquio, encerrando a carreira no alto rendimento com três bronzes nas provas de 100m e 200m livre e no revezamento misto 4x50m livre 20 pontos.

Além das medalhas, Daniel Dias recebeu diversos prêmios ao longo da carreira, incluindo o título de melhor atleta paralímpico do mundo, após os Jogos Paralímpicos de Londres 2012, quando quebrou cinco recordes na natação. Também recebeu o "Oscar do esporte", o prêmio Laureus do Esporte Mundial por três vezes, entre outras conquistas.

A competição com mais medalhas conquistadas

A edição dos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 foi também a melhor campanha do Brasil na história do paradesporto. Os atletas brasileiros subiram ao pódio o mesmo número de vezes que a edição anterior (no Rio 2016): 72 vezes. Mas a diferença foi que, em Tóquio, as medalhas de ouro vieram em maior quantidade. Ao todo, o Brasil conquistou 22 medalhas de ouro, 20 de prata e 30 de bronze.

O resultado está em linha com o planejamento estratégico do Comitê Paralímpico Brasileiro traçado em 2017 de manter o país entre as 10 primeiras posições do quadro de medalhas, no qual o desempenho do time Brasil alcançou a sétima posição.

A natação foi a modalidade responsável por trazer o maior número de medalhas douradas para casa, sendo oito conquistadas em Tóquio. Já o atletismo trouxe a maior soma de láureas do Brasil em Tóquio, com  28 (oito de ouro, nove de prata e 11 de bronze).

O número de medalhas conquistadas pelos atletas paralímpicos brasileiros coloca o Brasil como uma das potências mundiais do paradesporto. A cada novo ciclo, se renova a certeza de que o país está no caminho certo para mais recordes e nomes de brasileiros consagrados em todo o mundo pelo desempenho em suas modalidades. As medalhas são o desfecho de um ciclo que se encerra a cada quatro anos e que já começou novamente, agora com destino a Paris 2024.

PATROCINADORES
Patrocinadora do Paratletismo Brasileiro
Patrocinadora do Comitê Paralímpico Brasileiro
PARCEIROS
Parceiro do Comitê Paralímpico Brasileiro
Parceiros do Atleta Cidadão
APOIADORES
Apoiador do Comitê Paralímpico Brasileiro
FORNECEDORES
Fornecedor Oficial