Protesto chinês tira ouro de brasileiro, e Rufino é campeão na canoagem: como foi a madrugada deste sábado, 4

sáb, 04 set 2021 02:26:23 -03:00



Thiago Paulino recebe medalha de bronze no pódio/Foto: Miriam Jeske/CPB

Thiago Paulino recebe medalha de bronze no pódio/Foto: Miriam Jeske/CPB

O Brasil iniciou o 11º e penúltimo dia dos Jogos Paralímpicos de Tóquio com a conquista de mais três medalhas, sendo duas delas inéditas na canoagem: ouro para Fernando Rufino nos 200m da classe VL2 (atletas que usam tronco e braço na remada), e prata para Giovane de Paula, que ficou em segundo lugar nos 200m da classe VL3 (atletas que usam braços, tronco e pernas na remada). Além destes dois pódios, o velocista Ricardo Gomes de Mendonça foi medalhista de bronze nos 200m rasos da classe T37 (para atletas com paralisia cerebral).

O sul-mato-grossense Fernando Rufino subiu ao lugar mais alto na sua prova ao completar o trajeto em 53s077, seguido pelo norte-americano Steven Haxton (55s093) e pelo português Norberto Mourão (55s365). Na mesma final, Luís Carlos Cardoso, que já havia conquistado a prata nos 200m KL1 na noite desta quinta-feira, 2, terminou em sétimo lugar (56s390). 

Já o paranaense Giovane de Paula encerrou sua prova em 52s148, sendo superado pelo australiano Curtis McGrath, que ficou com o ouro ao fazer o tempo de 50s537. O pódio foi completado pelo britânico Stuart Wood, medalhista de bronze (52s760). Outro brasileiro nesta final, Caio Ribeiro ficou em sétimo (53s246). 

Na final feminina dos 200m da classe KL3, a também paranaense Mari Santilli ficou na oitava posição, com o tempo de 54s093. 

Atletismo
Mais um atleta brasileiro subiu ao pódio no Estádio Nacional do Japão, em Tóquio. Desta vez, o velocista fluminense Ricardo Gomes de Mendonça foi bronze nos 200m, da classe T37, ao completar o percurso em 22s62. O pódio ainda foi composto pelo norte-americano Nick Mayhugh, medalhista de ouro (21s91), e por Andrei Vdovin, do Comitê Paralímpico Russo, que ficou com a prata (22s24).

Thiago Paulino
Após ter quebrado o recorde paralímpico no arremesso de peso (classe F57), ao arremessar a 15,10m, o paulista Thiago Paulino teve este seu arremesso invalidado, ficando com o bronze. No final, a marca válida de Thiago foi a de 14,77m.  

A invalidação do melhor arremesso do brasileiro aconteceu depois de uma reclamação do Comitê Paralímpico da China. Os chineses protestaram durante e depois da prova. A arbitragem não acatou. O comitê chinês, então, foi ao júri de apelação, uma instância do Comitê Paralímpico Internacional (IPC, em inglês).  Desta vez, o júri recebeu e deu provimento. 

A acusação é de que o brasileiro teria se levantado da cadeira no arremesso que valeu o ouro, especificamente o segundo e o terceiro arremessos. Thiago, inclusive, abriu mão de fazer o sexto arremesso que tinha direito porque a arbitragem já havia validado todas as tentativas anteriores. Não havia nada mais em disputa.

O Brasil apresentou imagens dos arremessos de Thiago em que não havia qualquer indício de infração. A alegação do júri foi de que o vídeo acusatório seria de outro ângulo, mas se recusou a mostrar a imagem que embasou a decisão.

Desta forma, o chinês Guoshan Wu ficou com o ouro (15,00m). O brasileiro Marco Aurélio Borges terminou com a prata (14,85m) e Thiago, por fim, subiu ao pódio na terceira colocação (14,77m). 

Parataekwondo 
Última atleta do Brasil a entrar em disputa pela modalidade, Débora Menezes, da categoria superior a 58 kg, avançou à semifinal. A paulistana derrotou a mexicana Daniela Martinez, por 24 a 12. Agora, na luta da próxima fase, marcada para as 6h30 (de Brasília), Débora vai encarar a ucraniana Yuliya Lypetska.

Tiro com arco
A dupla mista brasileira formada por Fabíola Dergovics e Heriberto Alves Roca foi eliminada ao perder para os japoneses Chika  Shigesada e Tomohiro Ueyama (5 a 1). 

Parabadminton 
Vitor Tavares fez um bom jogo na semifinal da classe SH6, mas foi derrotado, por 2 a 1, para Kai Man Chu, de Hong Kong. No último dia de disputas, o brasileiro vai brigar pela medalha de bronze contra o britânico Krysten Coombs. O horário da partida ainda não foi definido.

Transmissão
Os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 contam com a transmissão ao vivo dos canais SporTV e da TV Brasil.

Patrocínio
A delegação brasileira tem o patrocínio das Loterias Caixa.
O paratletismo tem patrocínio da Braskem e das Loterias Caixa.

Assessoria de Comunicação do Comitê Paralímpico Brasileiro (imp@cpb.org.br)

PATROCINADORES
Patrocinadora do Paratletismo Brasileiro
Patrocinadora do Comitê Paralímpico Brasileiro
PARCEIROS
Parceiro do Comitê Paralímpico Brasileiro
Parceiros do Atleta Cidadão
APOIADORES
Apoiador do Comitê Paralímpico Brasileiro
FORNECEDORES
Fornecedor Oficial