Como foi a preparação dos atletas paralímpicos durante a pandemia?

qua, 21 jul 2021 09:22:24 -03:00



A preparação dos atletas paralímpicos durante a pandemia foi realizada em formato de bolha no Centro Paralímpico desde o dia 7 de julho de 2020. 

O Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, foi o local no qual a maioria das seleções brasileiras realizou sua preparação, obedecendo a rígidos protocolos de saúde e segurança. 

Para seguir uma ordem cronológica da preparação, as atividades no CT foram totalmente paralisadas em 16 de março de 2020, quando foram registrados os primeiros óbitos em decorrência da Covid-19 na cidade de São Paulo. O calendário de competições no Centro de Treinamento e as escolinhas gratuitas do centro de formação, com quase 600 alunos, foram igualmente cancelados. 

A estimativa para 2020 era que cerca de 20 mil atletas com deficiência participassem de competições e treinamentos no Centro de Treinamento ao longo de 2020. 

De março até julho, o CT permaneceu completamente fechado. A Diretoria Técnica do CPB estabeleceu um programa de acompanhamento físico, técnico e psicológico neste período. À distância, integrantes das comissões técnicas paralímpicas seguiram e monitoram os treinamentos dos atletas em suas residências por intermédio de conferências em plataformas on-line como Zoom e Google Meet.

A autorização da prefeitura de São Paulo para reabertura veio em junho, liberando a utilização dos equipamentos esportivos dentro de regras restritas a partir de 1º de julho. Os primeiros atletas a retornar foram os da natação, em 7 de julho. 

Apenas natação, tênis de mesa e atletismo receberam autorização para num primeiro momento, somente atletas medalhistas em Jogos Paralímpicos ou campeonatos mundiais de 2019 foram convidados. Nesta fase de reabertura, não mais do que 50 pessoas, em horários distintos, utilizaram o equipamento esportivo. O retorno das atividades, no entanto, aconteceu apenas depois do consentimento dos atletas em relação aos termos de segurança e higienização do CPB e da realização dos testes. Os atletas ainda foram submetidos a avaliações médicas individuais antes da prática esportiva.

As modalidades de atletismo, natação e tênis de mesa foram as primeiras a retomar os treinos , porque são aquelas cujo Centro de Referência é sediado no CT Paralímpico.

Funcionários e demais profissionais que atuavam no CT diariamente continuaram em regime de home office. 

Em todo o segundo semestre de 2020, o departamento médico do CPB constatou apenas um caso de atleta contaminado pelo novo coronavírus, que não evoluiu para um quadro grave e nem tampouco disseminou o vírus entre os demais atletas em treinamento no CT.

No início de 2021, o CPB deu prosseguimento ao plano de retomada dos treinamentos com a liberação da presença das modalidades coletivas como futebol de 5, goalball, vôlei sentado, bocha, além de outras individuais como judô, remo, halterofilismo, entre outros. 

Todos os atletas dos mais variados estados do país e do Distrito Federal eram submetidos a testes de PCR antes da chegada ao CT, no dia de entrada no Residencial e durante a permanência. As seleções de cada modalidade não podiam permanecer mais de 15 dias hospedados no Residencial, local de hospedagem dos atletas paralímpicos quando em convocação.

Os treinos das modalidades eram realizados em horários alternados para que não houvesse contato entre grupos diferentes. Todas as refeições eram realizadas nos próprios quartos dos atletas e não no restaurante do Residencial, como ocorria no período pré-pandemia. 

Após o primeiro trimestre de 2021, apenas três atletas testaram positivo para o novo coronavírus desde a reabertura em julho de 2020. 

Em maio de 2020, o Brasil recebeu a doação do COI (Comitê Olímpico Internacional) de vacinas da Pfizer e da Coronavac para aplicação em atletas, comissão técnica, estafe, e demais membros da delegação brasileira que seguirá para Tóquio a partir de 5 de agosto.

Em junho, o CPB realizou as semanas de treinamento seletivo, que serviu como evento qualificatório para os Jogos de Tóquio nas modalidades de atletismo e natação, nas dependências do CT Paralímpico. 

A rotina preconizada no plano de retorno das atividades do CT, lá em junho de 2020, se mantém até os dias atuais e deve permanecer até o embarque a Tóquio.

Patrocínios 
O paratletismo tem patrocínio das Loterias Caixa e da Braskem. Já as modalidades: bocha futebol de 5, goalball, halterofilismo, judô, natação, tênis de mesa e vôlei sentado contam com o patrocínio oficial das Loterias Caixa.  

Assessoria de Comunicação do Comitê Paralímpico Brasileiro (imp@cpb.org.br)

PATROCINADOR MASTER
Patrocinadora oficial do Comitê Paralímpico Brasileiro
PATROCINADORES
Patrocinadora do Paratletismo Brasileiro
Patrocinadora do Comitê Paralímpico Brasileiro
APOIADORES
Apoiador do Comitê Paralímpico Brasileiro
FORNECEDORES
Fornecedor Oficial
PARCEIROS
Parceiro do Comitê Paralímpico Brasileiro
Parceiros do Atleta Cidadão