Basquete em cadeira de rodas: conheça como e onde praticar a modalidade paralímpica mais antiga no Brasil

sex, 16 abr 2021 11:03:31 -03:00



Lance do jogo entre Brasil e Argentina pelo basquete em cadeira de rodas nos Jogos do Rio 2016 | Foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CPB.

Lance do jogo entre Brasil e Argentina pelo basquete em cadeira de rodas nos Jogos do Rio 2016 | Foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CPB.

Você sabe qual foi a primeira modalidade paralímpica praticada no Brasil? Foi o basquete em cadeira de rodas. Atualmente, é um dos esportes mais praticados dentro do Movimento Paralímpico e, somente no Brasil, há aproximadamente 110 clubes que oferecem esta modalidade praticada por pessoas com deficiências físico-motoras.   

Inicialmente, a modalidade foi praticada por ex-soldados norte-americanos que foram feridos na Segunda Guerra Mundial. Brasileiros com deficiência, que realizaram tratamento médico nos Estados Unidos, conheceram o basquete em cadeira de rodas e o trouxeram para o país. Em 1958, foi fundado o Clube do Otimismo, no Rio de Janeiro, por iniciativa de Robson Sampaio de Almeida e Aldo Miccolis – dois pioneiros do Movimento no Brasil. 

O basquete em cadeira de rodas pode ser praticado por homens e mulheres com deficiência físico-motora. Por exemplo, pessoas com paraplegia ou deficiência nos membros inferiores podem competir nesta modalidade. Mesmo atletas andantes podem jogar, mas devem usar a cadeira de rodas durante a prática do esporte.  

A modalidade segue as regras da Federação Internacional de Basquete em Cadeira de Rodas (IWBF). No Brasil, a modalidade é administrada pela Confederação Brasileira de Basquete em Cadeira de Rodas (CBBC). Para praticar e competir no basquete em cadeira de rodas, os interessados na modalidade devem procurar um clube para se filiar. 

Clique aqui para acessar o site da CBBC e confira a lista dos clubes filiados 


Regras e Curiosidades 

O basquete em cadeira de rodas é adaptado da modalidade convencional. O objetivo é arremessar a bola na cesta. Os jogos são disputados por duas equipes com cinco jogadores cada. A partida é dividida em quatro quartos de 10 minutos cada. 

A principal diferença em relação ao basquete convencional é que os jogadores devem quicar, arremessar ou passar a bola a cada dois toques dados na cadeira de rodas. As dimensões da quadra – 28m de comprimento por 15m de largura - e a altura da cesta de 3,05m seguem o padrão do basquete convencional.  

É obrigatório que todos os jogadores utilizem a cadeira de rodas própria para o basquete. É comum ter uma barra protetora lateral na cadeira para a proteção do atleta. Na parte traseira do equipamento, é possível observar uma rodinha de apoio, que tem função antiqueda e que deve obedecer a uma série de regras para que não haja contato e cause acidentes com outros jogadores por se tratar de um esporte de impacto.   

LEIA MAIS
Seis informações sobre como se tornar um atleta paralímpico
Conheça os tipos de cadeiras de rodas utilizadas no esporte paralímpico 

Classes 

Na classificação funcional, os atletas são avaliados conforme o comprometimento físico-motor em uma escala de 1 a 4,5. Quanto maior o comprometimento decorrente da deficiência, menor a classe. A soma desses números da equipe em quadra não pode ultrapassar 14. 

Principais Medalhas do Basquete em Cadeira de Rodas Brasileiro 

O basquete em cadeira de rodas fez parte de todas as edições já realizadas dos Jogos Paralímpicos. O Brasil ainda não conquistou medalhas na modalidade em Jogos Paralímpicos. A estreia da Seleção masculina foi nos Jogos de Heidelberg 1972, e da feminina, em Atlanta 1996. As melhores colocações brasileiras na modalidade foram o quinto lugar, no masculino, e o sétimo, no feminino, obtidas no Rio 2016. 

A Seleção feminina também conquistou três medalhas de bronze nos Jogos Parapan-Americanos (Lima 2019, Toronto 2015 e Guadalajara 2011).

Assessoria de Comunicação do Comitê Paralímpico Brasileiro (imp@cpb.org.br)

PATROCINADOR MASTER
Patrocinadora oficial de 11 modalidades paralímpicas
PATROCINADORES
Patrocinadora oficial do Paratletismo Brasileiro
Patrocinadora do Comitê Paralímpico Brasileiro
APOIADORES
Apoiador do Comitê Paralímpico Brasileiro
PARCEIROS
Parceiro do Comitê Paralímpico Brasileiro
Parceiros do Atleta Cidadão