Primeira medalhista paralímpica brasileira em maratonas treina com foco em Tóquio 2020

qui, 23 jan 2020 17:43:39 -03:00



Foto: Marcelo Regua/MPIX/CPB

Foto: Marcelo Regua/MPIX/CPB

O Brasil já garantiu 36 vagas pelo atletismo nos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020. A primeira vaga da modalidade foi conquistada em abril de 2019, no Mundial de Maratonas de Londres. A responsável foi a baiana Edneusa Dorta, que foi vice-campeã na prova. No Mundial de Atletismo de Dubai, em novembro, o país assegurou as outras 35 vagas.
 
“Foi uma surpresa. Eu e meu técnico não imaginávamos que eu conseguiria a vaga para o Brasil. Não sei explicar a sensação, foi algo bonito. Fiquei contente por abrir vaga em Tóquio, apesar de não ter atingido meu resultado pessoal, que era a meta”, relatou a atleta, que concluiu os 42km em 3h13min17, atrás apenas da japonesa Misato Michisita (3h06min18).
 
A maratonista treinou mais e na prova de Buenos Aires, Argentina, em setembro, atingiu o índice classificatório para os Jogos de Tóquio. Ela terminou a prova em 3h00min48s, nove minutos a menos que a marca qualificatória. Os índices são estabelecidos pelo Departamento Técnico do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) como critério de convocação. Dessa forma, os atletas que fizerem as marcas podem ser selecionados para compor a delegação nacional no Japão.
 
LEIA MAIS
Atleta da Bahia supera o frio e é vice-campeã mundial de maratona, em Londres
Atletas realizam treino intensivo de atletismo no Centro de Treinamento Paralímpico


O volume de treino dos maratonistas é maior. Chegam a correr 170km por semana. “Como eu já consegui o índice, estou mais tranquila. Vou me dedicar só para Tóquio. Vou fazer algumas corridas de rua para manter o ritmo”, comentou Edneusa, que é natural de Salvador, Bahia.

A atleta da classe T12 nasceu om baixa visão devido à rubéola que adquiriu da mãe ainda na gestação. Começou no atletismo convencional e, em 2012, passou para o esporte paralímpico. No Rio 2016, durante sua estreia em Jogos Paralímpicos, Edneusa faturou o bronze, tornando-se a primeira medalhista paralímpica brasileira em maratonas.
 
Além da baiana, Alex Pires (T46) também fez o índice classificatório ao completar a maratona de Málaga, na Espanha, em 2h27min36s. Em fevereiro, mais três brasileiros buscarão seus índices para Tóquio na maratona de Sevilha, na Espanha. Serão eles: Yeltsin Jacques (T12), Leonardo Amorim (T12) e Edilene Boaventura (T11).
 
Assessoria de Comunicação do Comitê Paralímpico Brasileiro (imp@cpb.org.br)

PATROCINADOR MASTER
Patrocinadora oficial de 11 modalidades paralímpicas
PATROCINADORES
Patrocinadora oficial do Paratletirsmo Brasileiro
Patrocinadora do Comitê Paralímpico Brasileiro
APOIADORES
Apoiador do Comitê Paralímpico Brasileiro
PARCEIROS
Parceiro do Comitê Paralímpico Brasileiro
Parceiros do Atleta Cidadão