Seleção de bocha aposta em análise de desempenho de rivais para competições

sex, 28 jun 2019 11:51:12 -03:00



Daniel Zappe/CPB/MPIX

Daniel Zappe/CPB/MPIX

Até a próxima terça, 2, a Seleção de Bocha realiza a quinta fase de treinamento no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo. Esta fase é a penúltima antes do Jogos Parapan-Americanos de Lima que, para Moisés Fabrício, coordenador da seleção brasileira, servirá de prévia para a Copa América em outubro, que conta pontuação no ranqueamento para os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020.

LEIA MAIS
Brasil encerra Open Mundial de bocha de Montreal com três medalhas
Irmãos da bocha intensificam os treinos para buscar vaga para Tóquio 2020 


"O Parapan vai ser antes da Copa América, então, para nós, tem um sabor especial. Vai ser de grande valia, porque, com a nossa equipe de análise de desempenho, conheceremos melhor quem vamos encontrar na Copa América. E até quem a gente não encontrar, vamos subentender que vem surpresa e que temos que nos preparar", afirma Moisés.

"O atleta pode ir diretamente ao analista de desempenho para saber como o próximo adversário joga. Quando se trata de alto rendimento, qualquer detalhe é muito importante, até mesmo se a cadeira é motorizada ou manual. Hoje, a gente tem a relação de 98% de todos os jogadores do mundo, na palma da nossa mão. Temos um aplicativo no celular e o controle desses atletas. E a gente faz o acompanhamento monitorando eles, caso haja mudança de estilo de jogo, conseguimos tabular isso e ter guardado para quando for útil, utilizarmos", acrescentou o coordenador.

Para Maciel Santos, que conquistou o ouro na disputa individual da classe BC2 no Mundial de Bocha pela segunda vez consecutiva este ano, a análise de desempenho é muito importante. "O jogador sempre tem uma melhor qualidade na quadra. Por exemplo, a minha, é na frente. Os atletas que analisarem isso, vão pensar, "a qualidade maior dele é na frente. Então, vou jogar a bola no fundo da quadra", explica o atleta.

"Então a gente estuda muito os atletas para poder estar preparado para, na hora do jogo, saber onde ele joga melhor e montar uma estratégia de onde jogar a bola. Tudo isso, dentro do jogo de bocha, é muito importante. Você está atento naquilo que o adversário é melhor e no que ele tem mais dificuldade para poder usar no jogo também", avalia Maciel.

Para ele, nos Jogos Parapan-Americanos já é possível sentir o clima dos Jogos Paralímpicos: "Já tem vila, as competições são melhor resolvidas, com intervalo maior. O Parapan é uma prévia das Paralímpiadas. Tem bastante gente, muitos atletas. Já dá para sentir o clima".

Assessoria de Comunicação do Comitê Paralímpico Brasileiro (imp@cpb.org.br)

PATROCINADOR MASTER
Patrocinadora oficial de 11 modalidades paralímpicas
PATROCINADORES
Patrocinadora oficial do Paratletirsmo Brasileiro
Patrocinadora do Comitê Paralímpico Brasileiro
APOIADORES
Apoiador do Comitê Paralímpico Brasileiro
PARCEIROS
Parceiro do Comitê Paralímpico Brasileiro
Parceiros do Atleta Cidadão