Conselho de Atletas

Criado em 2009, o Conselho de Atletas (CA) tem como objetivo a representação dos atletas dentro do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB). Os membros do Conselho devem ter diálogo aberto com a diretoria executiva do CPB, a fim de levantar questões, desenvolver projetos e fomentar discussões, sempre em prol dos atletas e do Movimento Paralímpico.

Integrantes do Conselho de Atletas

Adria Rocha Santos é a maior medalhista feminina paralímpica do Brasil. A atleta perdeu a visão devido à retinose pigmentar e do astigmatismo congênito, perdendo totalmente a visão em 1994. Começou a carreira aos 13 anos de idade em uma escola especial para deficientes visuais em Belo Horizonte. Entre 1992 e 2008, Adria conquistou 13 pódios nos Jogos Paralímpicos, sendo 4 medalhas de ouro, 8 de prata e uma de bronze.

Fernando teve paralisia infantil aos 3 anos de idade, perdendo o controle muscular total da perna direita e parcial da perna esquerda. Ele iniciou no esporte com o basquete em cadeira de rodas, depois passou pelo atletismo e ciclismo. Em 2011 ingressou no triatlo, modalidade que abraçou e chegou ao pódio do Mundial de Pequim no mesmo ano. O atleta também conquistou prata na Copa do Mundo do Japão 2016 e um ouro na Copa do Mundo de Detroit (EUA) em 2015.

Lúcia nasceu com baixa visão por causa de uma toxoplasmose congênita. A atleta começou a praticar o judô aos 15 anos, mas somente aos 19 anos passou a treinar a modalidade paralímpica.  De lá para cá conquistou prata no German Open 2016, na Alemanha; bronze no individual e prata por equipes no Mundial da Turquia e a medalha de prata nos Jogos Paralímpicos de Londres 2012.

Marquinhos nasceu com glaucoma congênita. Sua trajetória no Futebol de 5 começou aos 12 anos de idade e quatro anos depois ele passou a competir. O atleta foi bicampeão nos Jogos Parapan-Americanos do Rio 2007 e Guadalajara 2011; bicampeão no Mundial de São Paulo 1998 e Inglaterra 2010; bicampeão nos Jogos Paralímpicos de Atenas 2004 e Pequim 2008.

Aos 2 anos de idade, Natália foi atropelada por um ônibus que subiu na calçada em alta velocidade. O acidente causou a amputação das duas pernas dela. A jovem começou a praticar natação e tênis em cadeira de rodas ainda na infância. Conseguiu conciliar as duas modalidades até 2007, quando decidiu dedicar-se apenas ao tênis. As medalhas de ouro no individual e nas duplas nos Jogos Parapan-Americanos de Toronto 2015 e ouro no Parapan Juvenil da Colômbia 2009 estão entre suas principais conquistas.

Um acidente de moto aos 17 anos ocasionou uma grave lesão em sua perna esquerda, que foi amputada. O paulistano já praticava vôlei e, após sua recuperação, voltou às quadras. Foi um dos pioneiros do Voleibol Sentado. O atleta já conquistou inúmeras medalhas, dentre algumas: ouro nos Jogos ParapanAmericanos de Toronto 2015; prata no Mundial da Polônia 2014; ouro nos Jogos Parapan-Americanos de Guadalajara 2011; ouro nos Jogos Parapan-Americanos do Rio 2007; prata nos Jogos Parapan-Americanos de Mar del Plata 2003.

Simone nasceu com glaucoma congênito e, já nos primeiros dias de vida, passou por cirurgias para correção do problema. Teve baixa visão dos 3 aos 12, quando ficou totalmente cega depois de um transplante mal sucedido no olho direito, e de um trauma no olho esquerdo, que causou atrofia no nervo óptico. Começou a competir no goalball em 1994. Nos jogos Parapan-Americanos de Toronto 2015, conquistou o ouro. Simone é a atual presidente do Conselho dos Atletas.

Adria Rocha Santos é a maior medalhista feminina paralímpica do Brasil. A atleta perdeu a visão devido à retinose pigmentar e do astigmatismo congênito, perdendo totalmente a visão em 1994. Começou a carreira aos 13 anos de idade em uma escola especial para deficientes visuais em Belo Horizonte. Entre 1992 e 2008, Adria conquistou 13 pódios nos Jogos Paralímpicos, sendo 4 medalhas de ouro, 8 de prata e uma de bronze."

Fernando teve paralisia infantil aos 3 anos de idade, perdendo o controle muscular total da perna direita e parcial da perna esquerda. Ele iniciou no esporte com o basquete em cadeira de rodas, depois passou pelo atletismo e ciclismo. Em 2011 ingressou no triatlo, modalidade que abraçou e chegou ao pódio do Mundial de Pequim no mesmo ano. O atleta também conquistou prata na Copa do Mundo do Japão 2016 e um ouro na Copa do Mundo de Detroit (EUA) em 2015."

Lúcia nasceu com baixa visão por causa de uma toxoplasmose congênita. A atleta começou a praticar o judô aos 15 anos, mas somente aos 19 anos passou a treinar a modalidade paralímpica.  De lá para cá conquistou prata no German Open 2016, na Alemanha; bronze no individual e prata por equipes no Mundial da Turquia e a medalha de prata nos Jogos Paralímpicos de Londres 2012."

Marquinhos nasceu com glaucoma congênita. Sua trajetória no Futebol de 5 começou aos 12 anos de idade e quatro anos depois ele passou a competir. O atleta foi bicampeão nos Jogos Parapan-Americanos do Rio 2007 e Guadalajara 2011; bicampeão no Mundial de São Paulo 1998 e Inglaterra 2010; bicampeão nos Jogos Paralímpicos de Atenas 2004 e Pequim 2008."

Aos 2 anos de idade, Natália foi atropelada por um ônibus que subiu na calçada em alta velocidade. O acidente causou a amputação das duas pernas dela. A jovem começou a praticar natação e tênis em cadeira de rodas ainda na infância. Conseguiu conciliar as duas modalidades até 2007, quando decidiu dedicar-se apenas ao tênis. As medalhas de ouro no individual e nas duplas nos Jogos Parapan-Americanos de Toronto 2015 e ouro no Parapan Juvenil da Colômbia 2009 estão entre suas principais conquistas."

Um acidente de moto aos 17 anos ocasionou uma grave lesão em sua perna esquerda, que foi amputada. O paulistano já praticava vôlei e, após sua recuperação, voltou às quadras. Foi um dos pioneiros do Voleibol Sentado. O atleta já conquistou inúmeras medalhas, dentre algumas: ouro nos Jogos ParapanAmericanos de Toronto 2015; prata no Mundial da Polônia 2014; ouro nos Jogos Parapan-Americanos de Guadalajara 2011; ouro nos Jogos Parapan-Americanos do Rio 2007; prata nos Jogos Parapan-Americanos de Mar del Plata 2003.

"

Simone nasceu com glaucoma congênito e, já nos primeiros dias de vida, passou por cirurgias para correção do problema. Teve baixa visão dos 3 aos 12, quando ficou totalmente cega depois de um transplante mal sucedido no olho direito, e de um trauma no olho esquerdo, que causou atrofia no nervo óptico. Começou a competir no goalball em 1994. Nos jogos Parapan-Americanos de Toronto 2015, conquistou o ouro. Simone é a atual presidente do Conselho dos Atletas."

PATROCINADOR MASTER
Patrocinadora oficial de 11 modalidades paralímpicas
PATROCINADORES
Patrocinadora oficial do Paratletirsmo Brasileiro
Patrocinadora do Comitê Paralímpico Brasileiro
APOIADORES
Apoiador do Comitê Paralímpico Brasileiro
PARCEIROS
Parceiro do Comitê Paralímpico Brasileiro
Parceiros do Atleta Cidadão