Claudiney Batista tenta confirmar favoritismo em terceira ida ao Mundial de Atletismo 

seg, 07 out 2019 14:59:47 -03:00



Foto: Saulo Cruz/EXEMPLUS/CPB

Foto: Saulo Cruz/EXEMPLUS/CPB

O mineiro Claudiney Batista, 40, se prepara para disputar seu terceiro Campeonato Mundial Paralímpico de Atletismo da carreira. A competição acontecerá em Dubai, Emirados Árabes, de 7 a 15 de novembro. Ele é um dos 43 atletas convocados para o principal evento da modalidade deste ano. Atual recordista mundial e campeão paralímpico, ele buscará confirmar seu status no Oriente Médio.

“Sou o atual recordista mundial no disco e espero igualar e até superar a minha marca lá em Dubai”, disse Claudiney, campeão paralímpico do disco F56 no Rio 2016 e campeão parapan-americano da mesma prova, em Lima 2019.

E MAIS:
Confira a convocação do Campeonato Mundial de Atletismo, em Dubai

O recorde mundial do lançamento de disco, na classe F56, é de 46,68m feitos no Open Internacional Loterias Caixa de Atletismo no ano passado no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro, em São Paulo.

Aos 25 anos, Claudiney pilotava uma motocicleta, à noite, e um carro na contramão o atropelou. O acidente fez com que ele perdesse a perna esquerda por completo. Quase dois anos depois, ele conheceu o esporte paralímpico e ingressou nas provas de campo do atletismo.

Antes do acidente, ele era halterofilista e instrutor de academia. Atividades que lhe proporcionaram um físico apto para as provas de campo. Um ano depois de perder a perna ele começou a usar prótese. "Sentia falta das mãos livres para poder auxiliar os alunos na academia e a prótese me proporcionou isso. O processo de adaptação não é fácil, senti dores, desconfortos, mas hoje a uso o dia inteiro."

Em 2011, Claudiney recebeu a sua primeira convocação para a Seleção Brasileira, para os Jogos Parapan-Americanos de Guadalajara 2011. No currículo, exibe ainda dois Jogos Paralímpicos (Londres 2012 e Rio 2016) e o Mundial deste ano será seu terceiro (Lyon 2013 e Doha 2015).

A reta final da preparação envolve treinos diários de aproximadamente seis horas entre academia, campo e recuperação muscular na fisioterapia. Para atividades cotidianas e treinos de academia, Claudiney utiliza a prótese, mas para uma melhor performance nas provas, ele não a usa no campo. Pela regra da modalidade, os atletas que possuem amputação de membro inferior só podem competir utilizando uma cadeira feita sob medida e de acordo com especificações.

Com altas temperaturas desérticas, Dubai exige que os atletas se preparem além dos treinos para competir. “O nutricionista tem nos orientado bastante quanto a hidratação e tipos de alimentos indicados para o calor de lá, tudo para não passarmos mal ou ficarmos desidratados. Já competi em climas como o de lá, em Doha 2015, e o meu corpo ficou bem com o calor, vamos ver como vai ser agora”, comentou o esportista.

Assessoria de Comunicação do Comitê Paralímpico Brasileiro (imp@cpb.org.br)


PATROCINADOR MASTER
Patrocinadora oficial de 11 modalidades paralímpicas
PATROCINADORES
Patrocinadora oficial do Paratletirsmo Brasileiro
Patrocinadora do Comitê Paralímpico Brasileiro
APOIADORES
Apoiador do Comitê Paralímpico Brasileiro
PARCEIROS
Parceiro do Comitê Paralímpico Brasileiro
Parceiros do Atleta Cidadão