Bruno Carra aposta em categoria mais pesada para brilhar no Mundial Paralímpico de Halterofilismo

sáb, 13 jul 2019 09:27:51 -03:00



Bruno Carra é a grande aposta do Brasil neste domingo, 14, no Mundial Paralímpico de Halterofilismo, disputado em Nur-Sultan, no Cazaquistão. O paulista aposta na decisão de competir na categoria até 59kg, em vez de sua usual divisão (54kg), para garantir um lugar no pódio. A disputa ocorrerá às 5h30 (de Brasília). O Mundial se estende até 20 de julho e conta com 11 representantes brasileiros entre os 488 atletas de 76 países, no Congress Center. 
 
Há três anos, Bruno Carra ficou com a quarta colocação nos Jogos Paralímpicos do Rio 2016, superado apenas no desempate pelo grego Dimitrios Bakochristos. Os 162kg erguidos na categoria até 54kg não foram suficientes para o pódio paralímpico, e o atleta passou a trabalhar com seu técnico, Valdeci Lopes, para alternar divisões. Competindo com 59kg, Bruno tem 177kg como melhor desempenho. 
 
"A minha expectativa nesta competição é atingir a minha melhor marca e repetir o que eu já venho fazendo nos meus treinamentos. Eu sempre estou competindo nas duas categorias, mas hoje eu tenho me sentido melhor nos 59kg e acredito que esta escolha vai me beneficiar", disse Bruno, 30, que tem nanismo.
 
O brasileiro busca seu primeiro pódio em competições do calibre de Jogos Paralímpicos e Mundiais. Além do quarto lugar no Rio 2016, ele também rondou a zona das medalhas no último Mundial, na Cidade do México, em 2017. Bruno ficou em sétimo lugar, mas a apenas cinco quilos do medalhista de bronze, o iraniano Seyed Yousefi. Bruno acumula duas láureas prateadas em Jogos Parapan-Americanos (Guadalajara 2011 e Lima 2015). 
 
Neste sábado, 13, O potiguar João Maria de França Júnior, da categoria até 49kg, foi o principal destaque do Brasil no primeiro dia de disputas adultas do Mundial. O brasileiro registrou um levantamento de 146kg e assegurou um novo recorde das Américas, dois quilos acima da antiga marca, dele próprio. A performance lhe rendeu o décimo lugar no cômputo geral.
 
"Eu gostei muito da minha prova de hoje. Ainda há alguns detalhes a serem acertados, mas que bom que eu pude quebrar o recorde das Américas. É um bom sinal para o Parapan de Lima, que está chegando e, claro, para os Jogos de Tóquio. Gostei da prova e sei que ainda tenho mais a conseguir", disse o atleta de 23 anos.
 
A mineira Lara Aparecida também competiu e ficou com a 11ª posição na divisão até 41kg, com 71kg.
 
O Brasil já tem três medalhas em Nur-Sultan, todas no Mundial Júnior. Lucas Manoel (ouro até 49kg), Marcos Terentino (ouro até 54kg) e Vinicius Freitas (prata até 80kg) já subiram ao pódio. Em 2017, no Mundial do México, foram ao todo quatro medalhistas: Lucas Manoel (ouro), Mateus de Assis (prata) e Vitor Afonso (bronze) entre os jovens, e, ainda, o bronze obtido pelo baiano Evânio Rodrigues, na divisão até 88kg, entre os adultos. 
 
Assessoria de Comunicação do Comitê Paralímpico Brasileiro em Nur-Sultan 
I
vo Felipe (ivo.felipe@cpb.org.br)


PATROCINADOR MASTER
Patrocinadora oficial de 11 modalidades paralímpicas
PATROCINADORES
Patrocinadora oficial do Paratletirsmo Brasileiro
Patrocinadora do Comitê Paralímpico Brasileiro
APOIADORES
Apoiador do Comitê Paralímpico Brasileiro
PARCEIROS
Parceiro do Comitê Paralímpico Brasileiro
Parceiros do Atleta Cidadão