Atletismo

O atletismo paralímpico é praticado por atletas com deficiência física, visual ou intelectual. Há provas de corrida, saltos, lançamentos e arremessos, tanto no feminino quanto no masculino. Os competidores são divididos em grupos de acordo com o grau de deficiência constatado pela classificação funcional.

 

Nas corridas, os atletas com deficiência visual mais alta podem ser

acompanhados por guias, ligados a eles por uma corda. Já entre os deficientes físicos, há corridas com o uso de próteses ou em cadeiras de rodas. No Brasil, a modalidade é administrada pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB).

 

No total, o país já faturou 109 medalhas na modalidade em Jogos Paralímpicos: 32 de ouro, 47 de prata e 30 de bronze.

 

 

 

 

CLASSIFICAÇÃO

 

 

No atletismo, os competidores são divididos em grupos de acordo com o grau de deficiência constatado pela classificação funcional. Os que disputam provas de pista (velocidade, meio fundo e fundo), levam a letra T (de track) em sua classe. 

 

 

 

 

Já os atletas que disputam provas de campo (arremessos, lançamentos e saltos), levam a letra F (field) em sua classe. 

 

 

 

 

 

 

Os atletas com deficiência visual podem ser acompanhados por guias (no caso das provas de pistas) ou por um chamador (no caso das provas de salto). 

 

Na pista, o guia deve apenas orientar a direção da corrida do atleta, sem puxá-lo, sob pena de desclassificação. No salto, os deficientes visuais podem ser auxiliados por um chamador, que, com palmas e com a sua voz, guia o atleta.