Modalidades

Futebol de 7

O futebol de 7 é praticado por atletas com paralisia cerebral, decorrente de sequelas de traumatismo crânio-encefálico ou de acidentes vasculares cerebrais. As regras são da FIFA, mas com algumas adaptações feitas pela Associação Internacional de Esporte e Recreação para Paralisados Cerebrais (CP-ISRA). O campo tem, no máximo 75m x 55m, com balizas de 5m x 2m. A marca do pênalti fica a 9,20m do centro da linha de gol.

Cada time tem sete jogadores (incluindo o goleiro) e cinco reservas. A partida dura 60 minutos, divididos em dois tempos de 30, com um intervalo de 10. Não existe regra para impedimento e a cobrança lateral pode ser feita com apenas uma das mãos, rolando a bola no chão. 

 

 

CLASSIFICAÇÃO

A partir de janeiro de 2018, a classificação funcional passou a dividir os atletas do futebol de 7 para paralisados cerebrais em três novas classes funcionais: FT1, FT2 e FT3. Estas novas classes levam em consideração os graus de comprometimento dos atletas das antigas classes C5, C6 e C7, já que dentro de cada uma delas existe uma grande variação no impacto nas performances dos mesmos. Por exemplo, um atleta que hoje possui um hemiplegia e é da classe C7, se tiver muito pouco comprometimento, será classificado como FT3. Se for muito comprometido, será da classe FT1. A classe FT2 será um meio termo entre as duas outras. Os atletas que hoje são da classe C8 automaticamente serão alocados na classe FT3, ou podem até serem considerados inelegíveis.

Na regra atual é obrigatório que exista sempre pelo menos um atleta da classe FT1 em campo. Caso não seja possível, o time deve jogar com seis ou cinco jogadores. Cada equipe só pode contar com no máximo um atleta da classe FT3 em campo, durante toda a partida.

 

 

 

MEDALHISTAS PARALÍMPICOS 
Jogos Paralímpicos de Siydney 2000 - bronze
Jogos Paralímpicos de Atenas 2004 - prata
Jogos Paralímpicos Rio 2016 - bronze 

 

CONFEDERAÇÃO
Associação Nacional de Desporto para Deficientes (ANDE)
ande@ande.org.br
(21) 2220 1314